Igrejas históricas de Ouro Preto recebem policiamento preventivo

As igrejas históricas de Ouro Preto tiveram o patrulhamento preventivo reforçado após o incidente ocorrido no dia 11 de março, quando houve um princípio de incêndio na Igreja de Nossa Senhora do Rosário.

O secretário municipal de Cultura e Patrimônio, Zaqueu Astoni, reforça que, ao tomar conhecimento do incêndio, fez contato imediato com o diretor do IPHAN, Promotoria de Justiça, Polícia Civil e Polícia Militar, “de modo que todas as entidades e autoridades envolvidas com a temática do patrimônio cultural tomassem ciência e providência em relação a este triste fato, o qual nos causou grande apreensão e preocupação, porque, está sendo investigado, mas a forma como se deu o incêndio e a posição de uma vela em outra porta lateral sugere que tenha sido criminoso”, explica.

Uma das ações tomadas em conjunto (Promotoria de Justiça, Iphan e Secretaria de Cultura) foi solicitar ao Batalhão da Polícia Militar de Ouro preto que procedesse com a ronda nas igrejas, o que foi prontamente atendido pelo Comandante, somando esforços na defesa e guarda do patrimônio cultural.

A Polícia Militar informou que a ronda é realizada por patrulhas de atendimento comunitário específicas do setor desses patrimônios. Durante esse tipo de patrulhamento, quaisquer ilegalidades cometidas nesses imóveis são reprimidas, sendo tomadas as medidas cabíveis em relação aos autores. Além disso, denúncias anônimas de qualquer tipo de desordem pública nesses locais são verificadas quando necessário.

A Secretaria de Cultura e Patrimônio também contatou a Paróquia de Nossa Senhora do Pilar colocando-se à inteira disposição na busca de uma solução para a recuperação do bem, assim como a continuidade dos projetos de combate a incêndios junto aos templos religiosos da cidade, estendendo-se às Paróquias do Antônio Dias, Santa Efigênia e distritos.

Caso algum cidadão perceba a presença de indivíduos com a intenção de violar essas edificações ou realizando condutas ilegais nessas proximidades, deve-se acionar a Polícia Militar pelo telefone 190 ou denuncie anônimamente pelo 181.