Sintomas do coronavírus: quais os novos sinais de covid-19 que as autoridades americanas acrescentaram à lista


News Brasil30 de abril de 2020

Sintomas podem se manifestar entre 2 e 14 dias depois de a pessoa contrair o vírus
Mais
Desde o primeiro caso notificado na atual pandemia de coronavírus, em dezembro, na China, os principais sintomas atribuídos à doença covid-19 são tosse seca persistente, febre e cansaço.

No entanto, ao longo dos meses e com a rápida propagação do vírus, que já atingiu mais de 3 milhões de pessoas, surgiram diversos outros sinais associados à enfermidade.

Sem provas, Bolsonaro acusa OMS de incentivar masturbação e homossexualidade de crianças

Com serviço funerário à beira do colapso, famílias de Manaus convivem com corpos por até 30 horas em suas casas

Em razão das observações feitas por médicos de diversos países e de um número elevado de estudos internacionais recentes (a maioria ainda sem revisão crítica de pares acadêmicos), o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos decidiu incluir seis novos sintomas na lista que se atribui à covid-19.

Além dos conhecidos tosse, febre e fadiga, o CDC apontou:

tremores e calafrios que não somem

dor muscular

dor de cabeça

dor de garganta

perda recente de olfato ou paladar

Esses sintomas, não necessariamente todos, mas uma combinação deles, podem se manifestar entre 2 e 14 dias depois de a pessoa contrair o vírus, afirmou o CDC.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Aumentar essa lista de sinais, dizem especialistas, servirá para determinar quais pessoas precisam ser testadas para identificar se têm ou não o vírus, e também para entender melhor quando alguém deve se isolar por suspeita de infecção da covid-19.

OMS mantém lista

Até o momento, a Organização Mundial da Saúde (OMS) não fez mudanças em sua lista de sintomas.

A instituição destaca que febre, tosse seca e fadiga são as principais formas em que a enfermidade se manifesta, e alguns pacientes podem desenvolver também dores no corpo, congestão nasal, dor de garganta ou diarreia.

O site da OMS acrescenta que esses sintomas são geralmente leves e se desenvolvem de forma gradual.

Embora a descrição dos sintomas seja diferente entre a OMS e o CDC americano, ambas concordam em quando procurar ajuda médica de emergência.

Dizem que isso deve ser feito quando o paciente tem dificuldade em respirar ou sentir pressão ou dor no peito.

O que fazer se estiver com os sintomas?

A recomendação do Ministério da Saúde é que qualquer um que apresente sintomas de gripe fique em isolamento domiciliar por 14 dias e só procure o hospital se o quadro piorar, se houver dificuldade de respirar.

Coronavírus visto no microscópio: vírus já infectou mais de 3 milhões de pessoasVer as imagens
Coronavírus visto no microscópio: vírus já infectou mais de 3 milhões de pessoas
Mais
Lá, os médicos vão auscultá-lo, checar sua oxigenação sanguínea, para avaliar se ela está dentro dos parâmetros de normalidade, e eventualmente fazer uma tomografia dos pulmões, para avaliar se há algum tipo de comprometimento.

Dependendo do resultado, se confirmado um quadro de pneumonia, por exemplo, os médicos podem optar pela internação.

O médico pneumologista Fernando Didier, do HCor, faz uma recomendação: o ideal, para quem apresenta sintomas leves, é tentar administrá-los em casa, repousando, tomando bastante líquido.

Procure as unidades básicas se não tiver alívio dos sintomas.

Se o diagnóstico de covid-19 for confirmado, o Ministério da Saúde orienta que o paciente deve ser isolado dos demais moradores da casa.

Isso vale também para os casos suspeitos, já que no Brasil há uma escassez de testes, e muitos casos leves não estão sendo diagnosticados.

O ideal é que a família tome todas as precauções para evitar que outras pessoas que dividem o mesmo espaço fiquem doentes. Assim, a pessoa com sintomas deve transitar pelos espaços compartilhados de máscara e evitar partilhar utensílios domésticos — talheres, copos, toalha, cadeiras.