Após assinatura de pacto na OAB por eleições limpas, Vasques é vítima de FAKENEWS de adversários políticos

O candidato à prefeitura de Cacoal, Marco Aurélio Vasques (DEM), está sendo vítima de FAKENEWS, injúria e difamação por parte de adversários políticos na corrida ao Palácio do Café.

Nos últimos dias, o secretário geral do PROS em Cacoal, José Oliveira Rocha, vem efetuando inúmeras postagens em grupos de WhatsApp com a mensagem de que “Vasques não é candidato conforme o TRE” e usando print de tela do sistema divulgacand, onde consta a informação de que a candidatura de Vasques está pendente de julgamento, com a coligação deferida. Ele faz comentários que até o momento ele não seria candidato, induzindo o eleitor a pensar que Vasques não tem autorização para disputar as eleições.

A condição “pendente de julgamento”, conforme o próprio site do TSE informa, é a situação do candidato cujo pedido inicial não foi apreciado pela justiça eleitoral, mas concorre ao pleito e consta da urna eletrônica, portanto Vasques está apto para disputar a eleição. O que o secretário do PROS está fazendo é difundindo uma inverdade, uma FAKENEWS.

O PROS é um partido de esquerda, cujo presidente nacional foi acusado de desviar recursos dos fundos partidário e eleitoral, financiados com verba pública, além de lavagem de dinheiro. No início de 2019, investigações da Polícia Federal indicaram desvios de mais de R$ 5 milhões, que deveriam ser destinados às campanhas de candidatos do partido, mas foram usados inclusive para a compra de um helicóptero por R$ 2,4 milhões, além de imóveis. Entre seus filiados ilustres está o senador e ex-presidente Fernando Collor de Mello, que foi retirado do poder através de um processo de impeachment.

O candidato do PROS, vereador Mário Moreira, conhecido por Jabá (PROS), assinou, juntamente com os demais candidatos o Pacto Contra a Corrupção Eleitoral, Caixa 2 e Fake News nas Eleições 2020, proposto pela OAB, além de afirmar que não utilizará na sua campanha recursos dos fundos eleitoral ou partidário, em que pese o envolvimento de seu partido com desvios de recursos dos mesmos.

O vice-presidente do PROS, apesar do compromisso público do candidato Jabá, também distribuiu comentários injuriosos e difamatórios contra Vasques, escritos pelo advogado Caetano Neto, acusando-o de negociações para conseguir cargo e poder, informando ter efetuado várias denúncias e representações contra o candidato quando o mesmo exerceu o cargo de secretário de saúde no município de Vilhena.

Caetano Neto é um polêmico advogado que já foi condenado por ofender a honra do senador Acir Gurgacz (PDT), fez inúmeras acusações contra prefeitos, deputados e outras autoridades, tendo recentemente a Assembleia Legislativa emitido nota de repúdio contra sua pessoa. Esse advogado foi candidato a deputado estadual pelo PSDC nas eleições de 2014, tendo recebido apenas 615 votos.

Vasques afirma que todas as denúncias e representações feitas pelo advogado foram arquivadas pelo TCE-RO e TJ-RO por absoluta falta de veracidade, além de todas as contas do Fundo Municipal de Saúde terem sido aprovadas em sua gestão.

Em resposta a essas agressões levianas, Vasques limitou-se a comentar que “o desespero dos adversários faz isso, vão mentir e tentar enganar a população e para conseguir seus intentos maléficos unem-se candidatos já derrotados, sem credibilidade alguma e a pessoas suspeitas que administram partidos sem qualquer compromisso com a verdade para denegrir nossa candidatura. Fazem isso por perceberem que, mesmo estando na disputa há apenas 10 dias, já nos encontramos na liderança dessa disputa”.

Por fim, Vasques afirmou que Cacoal não precisa de bravatas e gritos, mas de experiência administrativa, honestidade e transparência para Cacoal Seguir em Frente.

DA ASSESSORIA