EXCLUSIVO: mãe de garoto de 08 anos atacado por pit bull em Cacoal fala sobre o caso após ser insultada nas redes sociais

Compartilhar

Após passar por um verdadeiro drama e ainda receber duras críticas na internet, disparadas por de pessoas que, segundo ela, não fazem ideia do que de fato aconteceu e nem sobre sua realidade diária, a servidora pública Cristiane Loureiro de Oliveira, de 37 anos, moradora do município de Cacoal, que teve o filho de 08 anos atacado violentamente por um dos pit bulls que criava desde os 30 dias de nascidos, aceitou o convite da reportagem do FOLHA DO SUL ON LINE para dar sua versão dos fatos

O caso que repercutiu em todo o Estado, tendo a imagem do menino com um dos braços retalhado pelas mordidas do cão, que sempre foi seu melhor amigo, viralizado na redes sociais e causado comoção em uns e revolta em outros, deixando Cristiane como a vilã da história, sem ela nem ao menos ter tido a chance de contar o que de fato aconteceu.

“Não deixei meus filhos sozinhos e desprotegidos o dia todo ou largados como muitos disseram, o que aconteceu foi uma fatalidade e muitos me julgaram sem nem ao menos me ouvir primeiro”, desabafou a mãe.

Para a reportagem do site, Cristiane relatou que no dia dos fatos, ela buscou os dois filhos e a enteada na casa da sogra após o expediente de trabalho como de costume e foi para sua residência, onde estava seu casal de pit bulls, que sempre conviveram em harmonia com as crianças e na verdade sempre foram a grande distração deles durante a pandemia, pois brincavam o dia todo.

“Eu tenho cães dessa raça há 15 anos e nunca tive um acidente dentro do meu quintal, pois sempre criei eles a vontade e de forma dócil. E com o casal que tinha até ocorrer aquela fatalidade, não era diferente, meus filhos montavam neles e nunca aconteceu nada”, relatou Cristiane.

Porém, quando chegou em casa, Cristiane percebeu que estava com as chaves do seu local de trabalho no bolso e, como a unidade fica a algumas quadras, pediu pra os dois filhos ficarem em casa quietinhos juntamente com a enteada de 13 anos, que iria rapidinho levar o objeto e já retornaria.

No entanto, dentro dos poucos minutos que ficou fora, a mulher se deparou com uma cena de horrores ao retornar, pois o filho sofreu ferimentos profundos ao ser atacado por um dos cães e precisou ser internado por vários dias, chegando a correr risco de morte.

Questionada sobre o que de fato aconteceu, Cristiane relatou que ao sair, o filho de 08 anos subiu no muro para brincar com o vizinho e, ao descer, acabou escorregando e caindo. Quando caiu, o menino gritou e neste momento o cão veio correndo e o atacou. “Eu acredito que ele estava querendo proteger o quintal e não machucar meu filho, pois acho que ele achou que aquela pessoa que ele viu caindo estava tentando invadir e tentou proteger as crianças ao ouvir o grito”, relatou a mulher.

Ainda segundo Cristiane, após o susto, o filho afirmou que acreditava que o cão estava brincando com ele e pedia para que ele o soltasse e não mordesse tão forte, pois estava doendo. “Não, Negão, não morde assim não, me solta”, falava o garoto, na intenção de acalmar o cão, pois de forma alguma acreditava que ele estivesse querendo lhe fazer mal devido ao convívio que tinham. Todavia, quando viram a cena, os irmãos do menino começaram a gritar por socorro e isso acabou estressando ainda mãos o animal, que intensificou o ataque, quase lacerando o braço da vítima.

Ao ouvir os gritos, um vizinho se arriscou e pulou o muro, tirando a criança das garras do animal. “Passei por um momento de tanto desespero que meu desejo era apenas trocar de lugar com o meu filho, pois jamais imaginávamos que isso pudesse acontecer”, desabafou Cristiane.

Após o ataque, a família se desfez dos animais, porém, a mulher relata que até mesmo as crianças sentem muito, pois entendem que o que cão fez não foi na intenção de machucar um dos donos e sim de proteger o quintal de algo que ele viu cair do muro repentinamente seguido de um grito.

“Hoje sou muito grata a Deus pelo milagre de estar com meu filho vivo, mas acho que no momento de fúria o cachorro  não viu mais nada na frente dele e eu jamais teria um animal na minha casa que eu ao menos sonhasse que pudesse por em risco a vida dos meus filhos. Mas não sabemos como funciona a cabeça dos animais. Porém, adoraria que alguém o adotasse, assim como adotaram a fêmea, pois hoje ele se encontra no Centro de Zoonoses e tanto eu quanto meus filhos sofremos muito em vê-lo naquela situação”, enfatizou a mãe.

Com relação a informação de um vizinho de que cão já teria tacado uma criança na rua, Cristiane não omitiu, relatando que de fato uma vez ele escapou quando ela abriu o portão e foi até uma rua, onde havia crianças brincando e mordeu o braço de uma delas. “Ele realmente fez isso, não vou negar, pois com estranho quase todos os cães são bravos, não só os pit bulls, mas quando brigaram com ele, ele soltou imediatamente e correu pra casa”.

“Eu não estou aqui pra defender o cachorro e culpar meu filho, só gostaria que antes de me julgar e falar um monte de coisas que machucam, as pessoas se auto avaliassem. Qual mãe que trabalha e que nunca deixou os filhos nem por um segundo sozinhos em casa? Qual mãe que tem cães em casa, seja da raça que for, que se acreditar que seu filho corre risco com o animal não irá se desfazer dele? Qual criança de 08 anos que não é travessa? Eu amo meus filhos mais que tudo e jamais os colocaria em risco, ao contrário, eu acreditava que com os cães em casa eles estariam mais seguros”, concluiu Cristiane.

Fonte: Folha do Sul

Compartilhar