Vereador comenta suposto desvio de vacinas, pede investigação do Conselho de Saúde e faz desafio a prefeito

Compartilhar

A Câmara de Cacoal realizou a 1ª sessão ordinária de março na manhã desta segunda-feira, 1.

Entre os vários assuntos abordados da tribuna da Casa de Leis, um chamou a atenção dos presentes e dos internautas que assistiam a sessão: o suposto de desvio de vacinas tendo como destino funcionários de uma empresa privada.

O caso foi levado à tona semana passada pelo site “O Estado de Rondônia”. De acordo com o noticioso, a denúncia partiu do Conselho Municipal de Saúde e quase 38 funcionários da clínica privada teriam sido vacinados. A empresa oferece aos seus clientes – além de certas especialidades médicas – serviços de academia, produtos estéticos, nutrição e fisioterapia.

Ao comentar o assunto, o vereador Paulo Henrique (PTB), que é membro da Comissão de Saúde na Câmara, afirmou que todas as vacinas foram distribuídas por critérios. “Clínica particular também têm profissionais de saúde trabalhando”, esclareceu.

Disse que Cacoal recebeu, até hoje, 3.671 doses, sendo 2.701 da Coronavac e 970 AstraZeneca.

Explicou que, do total de 3.226 servidores da saúde, foram vacinados 2.628. Com relação à vacinação de idosos com mais de 80 anos, foram vacinados 1.111, embora a meta seja de 1.197.

“Alguns faleceram e não foram encontrados”, garantiu, ao avisar que se alguém conhece um idoso que precisa de vacina, terá que informa às autoridades.

Contudo, o parlamentar disse que quem fez a denúncia, é a mesma pessoa que deliberou junto com a Comissão. “As pessoas têm que ter responsabilidade com o que fazem”, frisou.

Porém, sem citar nomes, disse que a Conselheira Municipal de Saúde estava apresentando uma lista com nomes de pessoas que não são profissionais de saúde, como um Policial Militar e um funcionário do SAAE. “Ora, se for desse jeito, a gente está de brincadeira. O Conselho que é para investigar e fiscalizar, está apresentando nomes que não estão no rol? Ora, ela fez a denúncia no Ministério Público (MP) falando da clínica, e apresenta nomes daqueles que são diferentes ao cronograma?”, denunciou, ao pedir à Mesa Diretora da Casa o encaminhamento de um ofício para averiguar o trabalho do Conselho Municipal de Saúde e a sua legalidade.

Para encerrar, o vereador fez um desafio ao prefeito Adailton Fúria (PSD) com relação à compra de vacinas autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal. “Vamos assinar autorização legislativa para que o prefeito possa comprar as vacinas sem anuência do Governo Federal”, ponderou.

EXTRARONDONIA.

Compartilhar